Ausência

por

26 de novembro de 2015

Sete anos após exibir seu primeiro longa de ficção – “A Casa de Alice” (2007) – numa edição do Festival do Rio, Chico Teixeira retorna ao evento para a estreia de “Ausência”. Precedido pelo belo curta “Outono”, de Anna Azevedo, que traz no elenco o ator e dublador Pietro Mario e a bailarina e coreógrafa Angel Vianna, o mais novo trabalho de Teixeira compete na Première Brasil na categoria longas de ficção.

Aus+¬ncia5

Estreante no cinema, Matheus Fagundes é Serginho, um garoto de 15 anos que precisou amadurecer precocemente e assumir o papel de homem da casa depois de seu pai abandonar o lar, deixando para o filho adolescente a responsabilidade de cuidar do irmão pequeno e da mãe alcoólatra (Gilda Nomacce). Sem muita perspectiva de vida, Serginho larga a escola para trabalhar na feira com o tio e visita frequentemente o professor Ney (Irandhir Santos), em quem encontra uma ambígua substituição para a figura paterna perdida. Apesar da amizade com Mudinho e Silvinha, é no professor que ele encontra o conforto e afeto tão almejados.

Aus+¬ncia1

Em “Ausência”, acompanhamos o cotidiano do protagonista num drama em que as sutilezas e os silêncios dizem muito mais do que palavras. A ausência é a constante que rege a vida de Serginho, que passa por uma difícil fase de transição onde tudo parece pouco e ele deseja sempre mais. A relação com a família, com os amigos e com o professor é marcada por sua carência afetiva e sua inconformidade com o mundo que o cerca: a falta do pai que sumiu, a mãe cuja presença é ausente, o amor querendo ser descoberto em plena fase de ebulição sexual.

Aus+¬ncia3

O roteiro rico em detalhes de Chico Teixeira, Cesar Turim e Sabina Anzuategui se concentra na figura de Serginho e nas questões que conduzem a sua vida. Uma subtrama envolvendo o professor recebe destaque a partir da metade da projeção e causa uma reviravolta na história, muito bem conduzida por Teixeira de forma ao mesmo tempo forte e delicada, e com um fim que é, na verdade, um começo. Vencedor do prêmio dos distribuidores e exploradores europeus no Cinélatino (festival de cinema latino-americano de Toulouse), “Ausência” é o tipo de filme que te deixa sem palavras, mas com pensamentos a mil.

 

Festival do Rio 2014 – Mostra Première Brasil: Competição de Ficção – longas

Ausência (Idem)

Brasil / Chile / França – 2014. 84 minutos.

Direção: Chico Teixeira

Com: Matheus Fagundes, Irandhir Santos, Gilda Nomacce, Thiago de Matos e Francisca Gavilán.

Avaliação Raíssa Rossi

Nota 4