Renascida do Inferno

por

04 de março de 2015

Um grupo de cientistas liderados pelo casal Frank (Mark Duplass) e Zoe (Olivia Wilde) pesquisa uma fórmula para ajudar pacientes em coma e gera uma nova descoberta, levando a experiências com animais mortos. Quando Zoe sofre um acidente no laboratório, o soro desenvolvido é aplicado nela e ela volta à vida, porém tomada por uma estranha força maligna, que coloca todos em perigo. Seguindo uma premissa que lembra a do longa “Linha Mortal” (1990), há uma breve discussão sobre o clichê de “brincar de Deus” e sobre o que acontece na hora da morte sob os pontos de vista da ciência e da religião no primeiro ato de “Renascida do Inferno”. O que diferencia o longa de David Gelb do de Joel Schumacher é a forma como a trama é levada: enquanto Schumacher trabalha com espíritos com questões mal resolvidas que voltam para assombrar estudantes de medicina inconsequentes, Gelb concentra-se em uma restrita, jovem e improvável equipe de profissionais que sofre as consequências da experiência pós-morte de Zoe, relacionada com um fato que aconteceu na sua infância e a assombra em forma de pesadelos recorrentes.

RenascidaInferno6

Assim como o título original do longa – “The Lazarus Effect” –, o soro batizado de Lázaro, faz referência à ressurreição de Lázaro da Bíblia. Tal soro faz, ainda, um paralelo com o filme “Lucy” (2014), cuja protagonista tem a capacidade do cérebro aumentada rapidamente até alcançar 100%, passando a possuir poderes como a telecinesia. Após voltar à vida, Zoe tem efeitos similares, com a adição de estar possuída de uma forma que fica mal explicada em “Renascida do Inferno”. O roteiro de Jeremy Slater (co-roteirista de “O Exorcista (A Série)” e roteirista do próximo “Quarteto Fantástico”) e Luke Dawson (co-roteirista de “Imagens do Além”) deixa alguns furos e dá margem a diversas interpretações sobre o que realmente acontece com a personagem.

Film Title: The Lazarus Effect

Com o mesmo produtor de “Atividade Paranormal” e “Sobrenatural”, “Renascida do Inferno” é um filme repleto de clichês de gênero para gerar sustos no espectador, especialmente os personagens de costas sendo observados por Zoe e o acende-e-apaga das luzes. Além do roteiro fraco, o que pesa negativamente no filme são as atuações limitadas (com exceção de Olivia Wilde) e a falta de experiência de Gelb em conduzir longas-metragens de gênero, já que apenas dirigiu documentários, como “Uma Visão da Cegueira” e “O Sushi dos Sonhos de Jiro”. Por serem mal desenvolvidas, as questões com potencial vão se perdendo ao longo da projeção e dão espaço a sustos e efeitos especiais demoníacos. Entretanto, o final do filme, que fica em aberto e deixa margem a uma continuação, é um ponto positivo, mostrando que a jornada da “Renascida do Inferno” ainda não foi concluída.

 

Renascida do Inferno (The Lazarus Effect)

EUA – 2015. 83 minutos.

Direção: David Gelb

Com: Mark Duplass, Olivia Wilde, Donald Glover, Evan Peters e Sarah Bolger.

Avaliação Raíssa Rossi

Nota 2
  • Almanaque2014

    Spam, please delete and block

    Enviado do meu iPhone